Translate

Mostrando postagens com marcador finanças. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador finanças. Mostrar todas as postagens

25/02/2018

O Ciclo Negativo da Poupança

O Ciclo Negativo da Poupança
Às vezes, poupar pode gerar mais problemas que investir em algo.
Desde crianças, nós somos educados pela cultura de que é positivo guardar dinheiro. Como indivíduos, por um certo tempo de nossas vidas, isso realmente é verdade. No entanto, para nós e para as organizações, com o passar do tempo, esse fato pode se inverter.
Buscamos poupar em momentos de insegurança, nos quais queremos nos proteger. Mas, cada tipo de investimento oferece um determinado grau de segurança.
Além da segurança, quando selecionamos onde colocar o nosso dinheiro, temos que verificar aquele que vai manter o valor do mesmo. Cada investimento oferece uma remuneração, e é essa remuneração que vai atualizar o valor do dinheiro.
A decisão por um investimento é definido por sua taxa, que é regulada em parte pelo governo e em parte pelo mercado, e pelo nível de segurança que a economia oferece. Mas, aí que está o conflito: a busca por segurança pode alimentar uma crise, pois investimentos em empreendimentos que poderiam promover o progresso não são feitos porque os investidores optam por poupar em investimentos mais seguros, como a caderneta de poupança.
Se não há expansão de atividades produtivas, a oferta de produtos se mantém. Em momentos de crise, exportar produtos se torna mais lucrativo que comercializá-los no mercado interno. Com isso, a oferta de produtos no mercado interno diminui, os preços aumentam e a inflação dispara, o que aumenta ainda mais a remuneração dos investimentos seguros, como a poupança.
Portanto, poupar nem sempre é mais importante que investir. Mesmo em momentos de crise, temos que assumir riscos, porque se não a crise não passa. A busca por segurança excessiva é inimiga do progresso e mãe de muitas crises.

20/08/2017

As Finanças sob Duas Visões

As Finanças sob Duas Visões
Saber até onde o dinheiro vai e como ele sai é fundamental para construir uma empresa eficaz.
A gestão financeira eficaz é norteada por duas visões fundamentais. A primeira nos permite ver até onde o dinheiro vai e a outra em que o dinheiro é empregado. A consciência dessas visões tem o potencial de levar qualquer organização ao sucesso.
Construindo um confronto constante entre as entradas e saídas de recursos, presentes e futuras, podemos ver se as entradas são suficientes para cobrir as saídas, se em algum momento as saídas vão ser antes das entradas e se em algum ponto no futuro os recursos financeiros irão acabar. Isso norteia todas as negociações entre a organização e outras empresas. Com os fornecedores, permite dimensionar e acordar prazos que garantirão que a empresa tenha tempo para gerar recursos suficientes para efetuar os pagamentos na data certa. Do lado dos clientes, permite elaborar uma política comercial que ofereça condições de pagamento aos clientes que os favoreça, mas que não comprometa as disponibilidades de recursos no futuro para cumprir os compromissos. Com uma visão de seus fluxos fica mais fácil também para a empresa fazer ajustes quando necessários, pois saberá se tem espaço em suas entradas para fornecer dilatamentos de prazo aos clientes quando solicitados sem arriscar seus compromissos e poderá solicitar dilatamentos a seus fornecedores quando tiver algum contratempo com segurança de que conseguirá cumprir o novo prazo.
Por outro lado, tendo uma visão detalhada sobre quem está gastando e com o quê, permite saber como os recursos financeiros estão sendo empregados dentro da empresa. Com essas informações, pode ser feito um mapeamento dos hábitos de consumo de cada unidade ou setor, quais os impactos desses gastos nas operações como um todo e o que precisa ser redimensionado. Assim, a gestão financeira puxa ações constantes que levam a atenção a eficiência em todas as áreas da empresa, o que, aliadas a busca pela qualidade, pode gerar um estímulo a criatividade que pode levar a verdadeiras inovações.
Portanto, saber até onde o dinheiro vai e como ele sai pode ser um parâmetro para nortear as estratégias da empresa. Sabendo até onde o dinheiro vai, podemos evitar a ameaça de não podermos cumprir nossos compromissos e aproveitar oportunidades que surgem sabendo os espaços de recursos que temos e fazendo negociações mais eficazes com clientes e fornecedores. Sabendo como os recursos são gastos podemos puxar ações que corrijam limitações da empresa e aplicar melhor os recursos visando potencializar os fatores positivos que se destacam e gerar inovações.

09/12/2016

Voando mais Alto

Voando mais Alto
Um novo momento se inicia!
Com a vivência, uma nova visão se forma e nos permite enxergar através de diversas novas perspectivas. Essas perspectivas me levaram a repensar o Blog e a buscar uma forma mais efetiva de fazer a diferença através dele.
O que antes eram tentativas e aprendizado se solidificou. Com isso, viso expor de forma mais concisa tudo o que vi e aprendi para contribuir mais com aqueles que buscam se manter atualizados.
O objetivo do Blog continua o mesmo: "Dar asas ao seu pensamento", mas agora convido você a voarmos juntos! Aproveite o espaço para expor sua opinião sobre nosso conteúdo. Juntos voaremos mais Alto!